segunda-feira, 9 de julho de 2007

A capacidade da mudança de assunto

A cada diálogo que me deparo, consigo evoluir minha capacidade de compreensão de que conversas extensas são paralelamente proporcionais ao teor alcoólico do indivíduo e ao baixo nível de percepção a discrepância no seu limite absurdo (cara-de-paumente falando). Falo isso com certa convicção porque sei que conversas pouco interessantes começam aqui e terminam depois do acolá. Se me permitem, vou reproduzir um trecho dessa beliíssima arte, a de se fazer de interessado. -E daí, Vicente, como tu estás? -Não tão bem, muito resfriado. -Sei de um remédio tiro e queda... -É mesmo, compraste na farmácia ali da esquina? -Não, a farmácia fechou! Comprei no centro, do lado do banco. -Não me fale em banco, estou no cheque especial. -Rapaz, ontem mesmo eu zerei o meu, consegui entrar no azul, até troquei de carro! -Boa notícia, pena que estou na pior... -Mas e o Fuscão, vendeu? -Sim, precisei pagar gastar com a saúde da minha esposa -Ah! ela colocou os dentes novamente? -Nâo, ela pegou HPV -Nossa! então tu você virou hospedeiro! -Pedreiro? nunca fui pedreiro, por falar em pedreiro... conhece alguém de confiança? preciso reformar a casa. -Conheço um bom, cara sério! -Aquele ali da esquina? -Não, o gérson, mora no centro..na frente do banco .. .. ...... Bem, a arte de se fazer de louco, de se fazer de salame (masculino) e de se fazer de chester (feminino) .. é uma prática muito comum, o assunto começa com futebol, e termina em política, começa em beleza e termina na Preta Gil, começa em qualidade e termina no Grêmio .. Mas o que se leva de um papo sem fundamentos? mentiras sem fim... o que se leva de uma conversa sem rumo? uma perda de tempo... o que se leva de frases impensadas? uma concentração de bobagens... o que se leva da combinação de cerveja e diálogos incessantes na chuva? uma gripe do car.... mas enfim, conheço um remédio tiro e queda... comprei ali na farmácia da esquina!

4 comentários:

Peter disse...

se eu bem te conheço o remédio era supositório...

Matheo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Matheo disse...

Por falar nisso, eu diria que tudo depende da flexibilidade do rabo da lagartixa.
E Peter é o cara que sabe explicar a influência da formiga africana na vida do elefante indiano.
:-)

Peter disse...

nada que uma cerveja no meio da noite não faz...
aliás, quem aqui nunca soube explicar esse tipo de bobagem na noite???

 
Copyright 2010 pago bem!