domingo, 29 de julho de 2007

Falsos Cognatos

Tudo que parece ser, não é. O que é, não aparenta! E o que é e aparenta, existe de verdade? Isso é um assunto que poderia ser desenvolvido em cartilhas de boa educação afinal nem todo rótulo carrega um bom conteúdo e nem todo bom conteúdo é flor que se cheire. Desde os primórdios do homem, carregamos alguns estilos de conduta que contribuem para a semelhança entre o "eu" interior, e o "eu" exterior, a questão é, seria isso venéril (verídico)? Vamos aos exemplos práticos: Você, um Ananá de plantão foca aquela bela garota, e pensa: "-Linda, que mulher perfeita, gostosa, cheia do swing, peralta... (e mais uma imensidão de adjetivos chulos)" Aproxima-se dela, e quando sente o tom da voz, vê que a donzela vai na couve como você! Esse é um exemplo prático: Falso cognato + Necessidade da análise urgente com base Na auto-ajuda do tio Peter, afinal é necessário ser um Aranha para ser traído pela mente avulsa! Exemplo número dois: Você, uma pessoa sensata, vivida e experiente ... vota em um candidato qualquer que lhe rouba até as ceroulas, no início ele era o promissor, depois virou o impostor..qualquer semelhança é mera coincidência, ok? É, falsos cognatos nao restringem-se somente às linguagens/idiomas. Estamos rodeados de falsos cognatos, e isso vale para tudo.. Para a vida social, para a vida noturna, para aquele whisky que você jura que é 12 anos...e na realidade é um Natu Nobilis, para aquele churrasquinho que você jura que é de gado. E para aquela sua vizinha, que você jura que é virgem. Antes de crer, "descreia" e faça alguém lhe provar o contrário, para evitar de sair apalpando qualquer garotinha que usa salto-alto e roupinhas de suplex.

1 comentários:

Peter disse...

fantástico...

tu tá quase lá betinho... daqui a pouco tu perde o teor banana... hehehe

 
Copyright 2010 pago bem!