quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Política, Mulheres, Cerveja e Futebol

Nada melhor do que isso. Um ideal, uma gostosa, uma gelada e um golaço. Talvez falte uma costelinha recém tirada da churrasqueira... mas não vou contaminar a costela.
Políticamente, nossa excelentíssima primeira dama, dona Marisa Rocco Botox da Silva, é um exemplo a ser seguido. Dois motivos:
Quem tiver o prazer de ler sua “vasta” biografia (disponível no site do Planalto), verá que ela nunca fez NADA. Pior, depois que assumiu o papel de 1a dama, não fez nada mais MESMO. O retrato perfeito do ideal político do atual governo.
Segundo: dona Marisa é cidadã italiana, e, num surto de inteligência, declarou que resolveu pedir sua cidadania para “garantir um futuro melhor aos seus filhos”. Isso quando ela já era 1a dama.
Amar futebol é natural ao brasileiro. Torcer pelo seu time é natural. Rir do rival é natural. Dar palpite na Seleção é natural. É natural conversar sobre futebol no trabalho. Falar com metáforas futebolísticas o tempo todo é “natural”.
Ser corinthiano é atestado de burrice e estupidez. É a comprovação da má-indole da pessoa.
Uma cerveja bem gelada não tem valor. Aquela ceva bem geladinha, depois de um dia inteiro de trabalho, ou ao confraternizar com os amigos... aquela loira com ou sem colarinho, pilsen, comum ou bock, em lata, garrafa, long-neck, casco, garrafa 1000 ml.
Agora, junte uma mulher, um corinthiano, cerveja em excesso e a política e veja na merda que dá.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

O poder da Sedução

Leia-se: arma fatal, hipnotizadora, usurpadora de almas, acorrentadora de sexos e desnorteadora de mentes racionais. O que dizer sobre a sedução? Um sentimento conglomerado de diversas faces da lucidez... Embora o corpo esteja totalmente sóbrio, o ser humano jamais poderá livrar-se desse “mal”, da fragilidade de ser manipulado com simples gestos oportunos. Mas não vamos nos ater ao sexo propriamente dito, porque, até então, essa palavra não havia levado tal conotação. Uma criança pode ser ligeiramente seduzida por um pirulito (novamente, sem conotações maliciosas) ou por uma bola quadrada. Enfim, dependendo de sua convicção, um pupilo pode ser facilmente levado pela emoção momentânea do doce em sua boca. Ainda não muito distante, o ser humano (leia-se homens e mulheres) é facilmente seduzido pelos truques da vida, e, na maioria dos casos, a vítima é o cartão de crédito do cidadão. Em miúdos, seja um par de sapatos ou um par de coxas, seja um adereço a mais ou um adereço a menos, seja uma lingerie bonita ou uma lingerie bonita... nos casos citados, o ser humano pode cometer atos falhos em ambos os sexos, tudo pelo poder da sedução, a mesma sedução do pirulito. Na maioria das vezes, o poder da sedução é coberto pelo poder da emoção. O que resta disso? Pavor, dívida, e glória! A glória de se deixar ser seduzido, mas jamais vencido pelo lado racional. Ainda assim, a sedução pode ser uma arma eficaz contra distúrbios da mesmice, ser seduzido não é tão mal e, além do mais, não traz prejuízos duradouros. Afinal um parcelamento em três ou dez vezes pode ser diluído em qualquer orçamento.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Gandhi

Gandhi, o Mahatma (grande alma), foi a grande figura da independência da Índia do Império Britânico, sua história foi escrita com princípios fortes, a não-violência e o controle mental. Sua atitude influenciou milhões de pessoas, não só na Índia, mas em vários cantos do mundo. Sua história como ativista social começou na África do Sul, onde tinha um escritório de advocacia. Lá a colônia indiana sofria forte preconceito por parte do governo, tinham que pagar impostos abusivos, Gandhi organizou a desobediência civil, sempre sem violência, movimento conhecido como Satyagraha que significa "força da verdade", bateu de frente com diversas autoridades, até acabar por ser preso, assim como milhares de outros indianos, até os governantes perceberem que eles nunca desistiriam, e acabaram cedendo. Na volta à Índia passou a lutar pacificamente pela independência e união entre os mulçumanos e hindus. Em uma das mais impressionantes demonstração de liderança, Gandhi levou milhares de indianos para coletarem sal em uma praia, produto o qual os ingleses cobravam altos impostos. Chegando na praia oficiais do exército britânico já esperavam a multidão, orientados pelo Mahatma nenhum indiano fugiu nem revidou, simplesmente foram organizadamente em direção à praia e apanhavam. Milhares feridos, presos e mortos, mas nenhuma violência por parte dos indianos. Gandhi durante sua vida também fez diversos jejuns como protesto, sempre que uma onda muito grande de violência entre hindus e mulçumanos o jejum de Gandhi servia para os acalmava, se não fosse suficiente ele ia até o local do conflito e sua presença dissipava a multidão e trazia a paz de volta. Seguindo a desobediência civil, Gandhi continuou a luta pela independência indiana, fez com que os indianos confeccionanssem as próprias roupas, evitando comprar as importadas da Inglaterra. A Índia conseguiu sua independência em 1947, mas não como Gandhi gostaria, foi dividida em dois países,a Índia, para os hindus, e o Paquistão, para os Mulçulmanos. Gandhi seguiu lutando até o final da vida, quando foi morto em 1948 por um Hindu radical. Deixou o exemplo de ser um ser humano que conseguiu controlar sua mente por completo, executando jejuns de até 21 dias, lutando pelos menos favorecidos, liderando sem imposição e mantendo-se sempre firme no seu objetivo. Einsten definiu bem minha opinião sobre Gandhi ao dizer que: "as gerações por vir terão dificuldade em acreditar que um homem como este realmente existiu e caminhou sobre a terra".
 
Copyright 2010 pago bem!