segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

O que fazer?

Esses dias recebi um e-mail mostrando as atrocidades que estão sendo feitas na faixa de Gaza, eram várias fotos mostrando soldados (para nós ocidentais, terroristas) e civis entre eles crianças e mulheres palestinos sendo massacrados pelo poder bélico israelense (apoiado pelos EUA), o que me chamou a atenção para o que estava acontecendo. Não vou entrar no mérito político e religioso da questão, mas centenas, ou talvez milhares de palestinos inocentes foram mortos vítimas de uma guerra desleal. Os mísseis israelenses tem uma tecnologia que permite uma precisão milimétrica, ao contrário dos foguetes palestinos. Talvez o maior problema seja que os soldados do Hamas estão infiltrados no meio do povo palestino, e Israel, mesmo sabendo que matará mais inocentes que inimigos, seguiu bombardeando. Ok, o Hamas é uma organização ilegal e considerada terrorista pela maioria das potências mundiais, que quer de volta para palestina o território ocupado pelo estado de Israel, nem que para isso seja preciso suicidar-se e matar inocentes. Talvez não exista um lado certo, mas com certeza esses bombardeios mostraram o retrocesso da sociedade, principalmente a ocidental, que mantém-se ocupada com reality shows e banalidades enquanto famílias são dizimadas. Isso tudo me fez pensar sobre como nos preocupamos tanto com os nossos problemas, tão pequenos perto de tudo isso, não que não sejam importantes. E esquecemos o dos outros, esquecemos de olhar para o lado e ficamos dentro de nosso casulo. O que fazer?Como ajudar? Não sei, talvez sejamos incapazes de ajudar algo tão distante de nós ( é o que preferimos pensar ). Mas vale a reflexão, talvez começando pelas pessoas próximas a nós possamos aprender a olhar para o lado.

2 comentários:

Peter disse...

Não entendo o pq de criticar principalmente a sociedade ocidental, que supostamente estaria ocupada com realit shows e banalidades, não prestando atenção nos bombardeios. Tu mesmo disseste que não existe lado certo.

É triste: é! É desnecessário: é! É desmedido: é!

Na minha humilde opinião quem está ocupado com banalidades são Israel e Palestina, que por motivos político-religiosos cometem as atrocidades que estão cometendo.

Disputar uma terra com matança? Quem em sã consciência faz isso?

Ao meu ver a sociedade (oriental ou ocidental) que pouco dá bola para devaneios e fervor político religioso é que está certa, abstendo-se de se enfiar no meio de uma Guerra (ou criar uma nova).

Como ajudar? Não sei.

Para ajudar é preciso que a pessoa tome consciência de que precisa de ajuda (o que em um primeiro momento não parece no caso que levantaste).

Peter disse...

O que realmente é bonito é o altruísmo que prega no teu texto.

Preocupamos-nos demais com nossos problemas, sem enxergar ao próximo.

O que questiono é até que ponto isto é um problema?

Podem me taxar de egoísta, mas seguindo essa lógica, de que as pessoas pouco importam para os meus problemas, concluo que se eu não olhar para o meu umbigo ninguém olhará!

No fundo discordo disso, pois acredito que plantas o que colhe, e se plantares filantropia, abnegação, colherás respeito e solidariedade.

Outra reflexão que proponho é a de que podemos enxergar problemas onde não existem.

Será que nos preocupamos com coisas que realmente valem a pena?

Como identificar a supervalorização de uma situação cotidiana e simples ao ponto de caracterizá-la como problema?

Metaforicamente: um ensaio sobre a cegueira.

Somos todos cegos.

 
Copyright 2010 pago bem!