quarta-feira, 2 de junho de 2010

Salvando vidas...

Da série: Filosofia na música (dê o play no vídeo abaixo, assista e reflita conosco).

Música: Savin' me
Artista: Nickelback

Escolher a profissão é uma das coisas mais difíceis na vida do ser humano. 
Especialmente quando se é jovem e inexperiente. Qual a minha vocação? O que eu faço bem? O que me fará feliz para o resto da vida? O que vai garantir o meu sustento? Decisão difícil.
Mais difícil ainda é enxergar o que tem por trás de cada uma das decisões que fazemos na vida. Tem pessoas que escolhem a profissão “salvar vidas”. Tornam-se médicos, enfermeiros, bombeiros e tantas outras profissões cuja essência está em salvar vidas, ou quem sabe impedir a morte. 

Prefiro pensar que todos nós somos salva-vidas. Todos os dias. Em algum ponto. De alguma maneira. Está na essência do ser humano salvar os outros, resgatá-los, dar-lhes uma segunda chance. Nosso grande problema é deixar essa essência de lado, e concentrar-nos em buscar sempre mais. Buscar ser isso, buscar ter aquilo...

E se o que buscamos nunca acontecer? Se aquele dia que tanto sonhamos nunca chegar? Seremos nós seres humanos frustrados, cujas vidas não valeram a pena ser vividas? A resposta será negativa se brincarmos de salva-vidas durante a nossa existência na terra. Salvar vidas é muito mais do que impedir a morte

Salvar vidas é resgatar alguém que está perdido. É apreciar um momento a dois. Salvar vidas é fazer um jantar mais feliz com a sua presença. É dar uma palavra de apoio quando todos estão criticando. É estar no lugar certo, na hora certa, com a palavra certa, mesmo que naquele momento tudo pareça errado. É sorrir para quem está chorando. É mostrar o lado bom de uma situação para quem não consegue enxergá-lo. É não desistir das pessoas. É não desistir de um sonho, sendo ele seu ou de outros. É saber que vale a pena salvar as pessoas.

Resgatar um amor, fazer o dia de alguém melhor, fazer um pequeno gesto... “A vida é curta”. Gosto de pensar nessa frase como um clichê, sem muito significado pra mim. Curta? Tem quem viva 100 anos e ainda assim gostaria de viver outros 100 para realizar o que deseja ou estar mais tempo perto de quem ama. Tem quem viva 20 anos e não realize nada. Não valorize os momentos, não ame ninguém... e possa ainda achar que sua vida foi longa demais para tanta tristeza. A noção de tempo pode variar de pessoa para pessoa. O que não pode variar é a certeza de que estamos nesse mundo para conviver, amar e aprender. Sempre.

Escolhas são difíceis sim. Mas posso escolher salvar alguém hoje

Pago bem para quem contar como salvou uma vida ou como já foi salvo.

7 comentários:

Peter disse...

Vale salvar a própria vida?

Peter disse...

By the way: bem vinda (ou bemvinda - wtf).

Thaís disse...

Não pensei...mas quer vida mais importante que sua own?

Se não tiveres a tua vida, como vai salvar outras?

Como diz a música - Say it if it's worth saving me... Claro que é! Sempre!

Obrigada pelo welcome!

bvandrade disse...

Bah... lembrei de 2 situações da Thaís saving lives esse semestre. Mas aquelas salvações 911, sabe? Essas salvações quero aprender a fazer quando eu crescer!!

Peter disse...

É mais nobre aquele que salva a si mesmo? E se houver uma possibilidade: salvar a ti mesmo e alguém, como fazer?

Welcome Babi!

LVL disse...

Adorei o texto teacher! Achei muito bonito, e adorei música também! Não sei como vcs conseguem escrever textos tão grandes e bonitos, filosóficos! Mas enfim... parabéns!
Bjs
Vicky

Peter disse...

Experiência Vicky!

 
Copyright 2010 pago bem!