segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Declaração de amor

She is love.

Agora é o meio de uma madrugada. O meio da madrugada de um feriado.

Com tanto tempo livre, apenas uma coisa habita meus pensamentos: ela.

Faço destas palavras uma declaração de amor. Para ela.

Acabo de chegar em casa. O sorriso mal cabe em meu rosto.

Estava com ela.


Minha relação com ela é mais antiga do que eu posso me lembrar. Não lembro ao certo quando a conheci, mas lembro que sem ela não consigo viver. Sim: sem ela não há vida.

Conheço ela faz muito, mas muito tempo. Já tive a oportunidade de flertar com ela por inúmeras vezes. 

Já me declarei apaixonado. Já fui correspondido. 

Fui seu amante e recebi o amor que queria ter recebido.

Com ela presente já tive momentos inesquecíveis. Guardei lembranças. Sorri e chorei.

Já fui dela e ela foi minha. Já fui entregue a ela e ela já se entregou para mim.

Agora, não tenho vergonha de dizer que já a traí.

Já tive outros relacionamentos. Já tive outras paixões.

Já vivi outros momentos. Agora, tenho que admitir: em todas estas paixões ela estava junto.

Ela sempre esteve comigo. Todas as minhas paixões foram marcadas por ela, mesmo que não fossem COM ela.

Sim.

Assumo.

Tive outras, que não ela.

Agora, também assumo: ela sempre esteve comigo. Mesmo longe. Sempre esteve ao meu lado, por mais que eu não tivesse o discernimento para perceber.

Para meus outros relacionamentos peço apenas perdão. Ou não. Todos os outros relacionamentos foram felizes e me fizeram crescer. Agora, foram felizes porque, em algum momento, ela esteve presente.

Paixão é uma coisa que pode não acabar. Nunca.

E com ela foi assim. Meu amor por ela nunca acabou.

Mesmo com outros interesses, ela sempre esteve junto. Ao meu lado. Dentro de mim.

Ela sempre foi uma surpresa. Começou calma e devagar. Foi crescendo, foi preenchendo. Foi tomando conta de um coração. Foi moldando um sentimento. Ah... Foi envolvendo. 

Aos poucos tomou conta de todos os sentimentos. Todos os sonhos.

A amei de todas as maneiras possíveis. Amei-a cantando. Amei-a tocando. Amei-a ouvindo. Amei-a sentindo e vendo.

Também sou homem o suficiente para dizer: ela não é só minha!

Sim, eu sei. É duro afirmar que um amor não só seu. Na verdade meu amor é do mundo. É universal.

Ela é tão perfeita, linda, completa e fantástica que apenas uma pessoa não é capaz de apreciá-la sozinho. Isso faz ela ser quem ela é. Faz com ela ela nutra meus sentimentos, invada meus sonhos e abra um sorriso em meu rosto todo dia quando acordo. E talvez por isso que ela me aceite de volta sempre que a procuro.

Sei que muitos (talvez até todos) a amaram. Talvez todos estes a amem.

E eu sei que ela ama a todos eles.

Meu amor é meu. Meu amor é de todos os outros.

A amei com o que tive. E aprendi com este amor.

Mesmo quando não estava junto com ela, soube a ouvir e com ela soube aprender.

Ouvi tudo que ela tinha a dizer. E depois de um tempo soube aprender que o que ela dizia não eram palavras dela.

Eram palavras dos amores dela. Eram aquilo que ela tinha aprendido com aqueles que a amaram (e que não eram eu). Triste? Não. Triste seria se ela não tivesse todo esse amor para me dar.

Quando acordei hoje estava longe dela. Muito longe.

Havia esquecido do meu amor, e de como ele era importante para mim.

Tive o prazer de reencontrá-la. E, mais uma vez, apaixonei-me por ela.

Ela me abriu, mais uma vez, as portas de um novo universo. Mais uma vez. Mais uma vez. Mais uma.

Por isso declaro meu amor por ela: eu te amo. Com todas as letras. Com todos os acordes. Todas as melodias e cores. Todos os cheiros, sabores. Todas as experiências, as chances, as oportunidades e todos os erros.

Todos os dias.

Música: obrigado por existir. ;)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Coragem

Coragem é admitir não ter motivos para sorrir. Coragem é admitir não conseguir fazer alguém sorrir. Coragem é dar a cara a tapa, fazer alguém sorrir e sorrir por conseguir. Coragem é dar a cara a tapa, fazer alguém sorrir e sorrir sabendo que ao menos tentou. Chorar também é coragem, pelo simples fato de aceitar não poder sorrir o tempo todo. Tentar é coragem! Coragem é uma tentativa, de, quem, sabe, fazer alguém sorrir. Aventurar-se também é coragem, é claro. Não somente pela aventura, mas por aceitar o novo. Coragem é saber que uma aventura, ou um simples sorriso, pode mudar sua vida, ou a dos outros. Adrenalina é coragem, adrenalina é energia. A energia é o combustível da coragem, e um homem corajoso reflete otimismo. Sorrir, encorajar-se, aventurar-se, sentir o gosto da adrenalina, esse é o espírito. Saber que fazer algo pode provocar sensações boas, esse é o sentido da vida. Falando a verdade? O vídeo abaixo expressa uma parcela da coragem e otimismo de alguém. Alguém muito corajoso, diga-se de passagem!!! Pago bem por tamanha coragem! Tu és corajoso?
 
Copyright 2010 pago bem!